Peru: Ollantaytambo – Vale Sagrado dos Incas

19

Ollantaytambo, Vale Sagrado dos Incas. Muita gente define esse lugar apenas como um ponto de passagem para ir até Machu Picchu, já que o trem passa ou parte de lá.

Mas o lugar reserva muitos encantos e uma dica legal e passar pelo menos uma noite por lá.

Antes de viajar também lemos alguns comentários de pessoas que acham que conhecer Ollantaytambo depois de Machu Picchu é frustrante. Para nós são duas experiências diferentes, e ambas super valeram a pena.

Veja a seguir algumas dicas, como ir para Ollantaytambo e como ir de Ollantaytambo para Machu Picchu. E pense seriamente em incluir esse destino no seu roteiro pelo Vale Sagrado e Machu Picchu.

Ollantaytambo: Vale Sagrado dos Incas

Uma noite em um povoado inca

Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
Ollantaytambo, o sítio arqueológico que foi uma das grandes surpresas de nossa viagem

Aqui no blog, você já acompanhou o nosso diário de viagem de Lima, Cuzco, Vale Sagrado, Machu Picchu e Huayna Picchu. Faltou falar como foi nossa experiência em um dos últimos dias de viagem, em Ollantaytambo.

Passar uma noite em Ollantaytambo foi muito diferente e especial. Isso ainda depois de estarmos voltando de Machu Picchu, ou seja, já havíamos passado pelo ponto alto de nossa viagem.

Até tentamos visitar Ollantaytambo durante o passeio que fizemos pelo Vale Sagrado, mas devido a um show de erros do passeio pelo Vale Sagrado que contratamos, acabamos ficando sem tempo de visitar o sítio arqueológico.

Dessa forma, poder voltar e finalmente conhecer o sítio foi muito legal. E olha que foi super corrido, hein? Prepare-se.


Visualizar Peru em um mapa maior

No mapa acima, é possível ver onde ficam os principais destinos do Peru. Também dá para ver que Ollantaytambo é o lugar mais próximo de Machu Picchu, portanto é bem provável que você irá passar por lá.

Nosso roteiro nessa viagem ao Peru e região do Vale Sagrado foi assim:

– Dia 1 – Lima: chegada de madrugada em Lima e o dia para explorar a cidade

– Dia 2 – Cuzco: vôo de Lima para Cuzco, chegamos às 14h e tivemos apenas o resto do dia para conhecer a cidade (pouquíssimo tempo, recomendamos pelo menos 2 dias)

– Dia 3 – Vale Sagrado: de Cuzco, agendamos um passeio em grupo pelo Vale Sagrado. Já levamos as malas e desembarcamos em Ollantaytambo. O passeio atrasou e chegamos às 16h por lá.

– Dia 3 – Trem Ollantaytambo > Machu Picchu: às 16h30 pegamos o trem para Machu Picchu e pernoitamos em Águas Calientes

– Dia 4 – Machu Picchu: 1 dia inteiro para explorar Machu Picchu, Huayna Picchu e a Ponte Inca

– Dia 5 – Águas Calientes: aproveitamos a manhã para conhecer a cidade base para explorar Machu Picchu

– Dia 5: Trem de Machu Picchu > Ollantaytambo: às 14h30 pegamos o trem para Ollanta e na sequência vamos ver tudo o que fizemos em Ollanta

– Dia 6: Van de Ollantaytambo para Cuzco e Sacsayhyaman: arranjamos um taxista que nos levou até esse sítio, pertinho de Cuzco

– Dia 6: Partida de volta ao Brasil

Ollantaytambo: Como Chegar
Estação de trem em Ollantaytambo

Trem para Ollantaymbo 

Às 14h30, estávamos no trem de Águas Calientes para Ollantaytambo pela Inca Rail. A passagem de volta custou US$ 55,00. A viagem de volta foi ainda mais bonita do que a ida.

Na ida, tínhamos pegado o trem no final de tarde, mas dessa vez ainda era dia, as paisagens estavam belíssimas e conseguimos pegar um lugar do lado do rio (no caso, do lado direito, na direção de Ollantaytambo). Só ficamos com pena de duas moças que estavam sentadas na nossa frente do trem (também do lado direito), o sol forte ficou batendo de frente para elas durante a viagem toda. Elas sofreram bastante com o calor.

Trem para Ollantaytambo
Inca Rail, nosso trem de Machu Picchu para Ollantaytambo
Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
O rio Urubamba que acompanha toda a viagem de trem
Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
Uma das belíssimas paisagens que acompanhamos durante nossa viagem de trem pelo vale do rio Urubamba

Chegamos em Ollantaytambo por volta das 16h. O sítio arqueológico de Ollantaytambo fechava às 18h. Imagina a correria.

Visitando o Sítio Arqueológico de Ollantaymbo

Descemos do trem e procuramos um mototáxi, que são motos com uma cabine atrás que comportam até duas pessoas. Mas estavam todos ocupados, então com receio de perder tempo, acabamos indo a pé mesmo até o centro de Ollantaytambo, que fica a cerca de 10 minutos a pé da estação de trem, seguindo a Avenida Ferrocarril.


Visualizar Ollantaytambo em um mapa maior

 

Por volta das 16h15 chegamos no Kuychipunku Hostal, que havíamos reservado pelo Booking.com, e que fica super pertinho do sítio arqueológico, praticamente em frente.

Consulte aqui preços e disponibilidade de hotéis em Ollantaytambo

Ao chegarmos no hotel, explicamos a nossa situação para a proprietária que, super atenciosa, agilizou nossa chegada, pegou nossas malas e nos liberou para conseguirmos chegar em tempo no sítio.

Nosso caminho pela Avenida Ferrocarril, a montanha ao fundo é onde ficam as ruínas de Ollantaytambo

Já tínhamos o bilhete turístico, que vale para todas as atrações do Vale Sagrado (leia mais no nosso diário de viagem do Vale Sagrado), o que facilitou bastante nossa entrada. Às 16h30, já estávamos dentro do sítio arqueológico de Ollantaytambo.

Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
O magnífico sítio de Ollantaytambo, no final de tarde, cercado de montanhas

A história de Ollantaytambo

O sítio de Ollantaytambo é constituído de conjuntos residenciais, templos, depósitos e alguns recintos cuja função não está definida, uma vez que parece que o sítio não estava de fato concluído na época da invasão dos espanhóis. O sítio era relativamente novo na época da colonização espanhola, foi construído cerca de 150 a 200 anos antes da chegada dos espanhóis.

A construção se destaca, assim como outras construções incas, graças à engenhosa arquitetura inca, que entre outras coisas, construiu aquedutos e no alto da montanha, templos como o Templo do Sol, dotadas de pedras enormes e perfeitamente talhadas e encaixadas. 

Como o local não se encontra completamente finalizado, é aqui onde os pesquisadores encontraram maiores indícios do modus operandi da arquitetura inca.

Correndo degraus acima

Nosso contato inicial começa em um vale e na nossa frente, uma enorme montanha, onde se localizam as unidades arqueológicas do lugar. Nossa corrida continuou, dessa vez para subir a montanha e chegar na parte de cima do sítio, onde se localizam as construções arqueológicas mais interessantes. Haja fôlego.

Assim como outras construções incas, esses degraus gigantes se tornam ainda mais gigantes quando chegamos perto deles, e o que nos resta são apenas degraus comuns, em uma íngreme escadaria.

Apesar de sabermos que eles funcionavam como terraços de cultivos de alimentos, aqui eles ganharam outra função, e ganharam o nome de Fortaleza, devido a função que o sítio arqueológico ganhou durante a época da conquista espanhola.

Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
Escadarias para subir até a parte de cima de Ollantaytambo
Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
Assim como outros sítios incas, os gigantes degraus que são chamados de Fortaleza
Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
Como a subida é íngreme, alguns optam por fazer paradas durante a subida e admirar a bela vista da planície

Subimos tão rápido as escadarias que nem posso precisar o tempo que se leva, mas acredito que em 15 minutos é possível chegar no topo.

Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
Parada estratégica para admirar a paisagem
Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
A vista do alto do sítio para o povoado e para a planície onde se encontra Ollantaytambo

No alto de Ollantaytambo

Chegando na parte de cima do sítio, nos deparamos com uma ventania super forte (ainda bem que tínhamos levado casaco, não importa o tempo, é bom se proteger pois venta muito e faz frio lá em cima), mas também com plantações lindas e com o sol se encondendo atrás das montanhas.

Parecia uma corrida contra o tempo, contra o sol que se punha, e para ver o máximo de belezas que podíamos daquele lugar. Quando mais percorríamos os caminhos da parte alta, mas fascinados estávamos com as vistas e com a arquitetura do lugar. 

Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
A belíssima planície e a montanha que encontramos no alto de cidade inca
Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
Seriam ruínas gastas pelo tempo (e pelo vento) ou construções não terminadas?

A falta que faz uma visita guiada

Infelizmente, como já era de se prever, não tivemos tempo de fazer uma visita guiada pelo lugar, mas recomendamos muito, pois o lugar é cheio de história e com certeza merece mais informações. Apesar de termos vistos lugares maravilhosos, ficamos sem as informações adequadas sobre o que era cada lugar.

Mesmo assim, ainda percorremos alguns caminhos pela parte alta do sítio, para registrar o lugar de vários ângulos. Mesmo sem sol, o lugar ainda é fabuloso.

Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
Parada para foto, apesar do dia terminando

Noite em Ollantaytambo

Depois da correria de conhecer todas as ruínas em 1h30, voltamos para a parte baixa e para as ruas absolutamente tranquilas de Ollantaytambo.

Já anoitecia e aproveitamos para andar um pouco pelas ruas de lá. Além do sítio, o povoado é uma delícia de se percorrer, andando pelas ruas incas, que parecem uma volta no tempo. O povoado guarda as mesmas características de quando era uma cidade inca e sofreu pouca influência colonial.

Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
Uma feira de artesanato começa a ser desmontada, no final de tarde em Ollantaytambo, o que
indica que pouca gente resolve ficar realmente a noite por aqui
Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
Final da Avenida Ferrocarril, com os mototáxis parados

Voltamos para nossa pousada e descansamos um pouco, afinal o dia tinha sido bem corrido. Aproveitamos para tomar banho e relaxar. Acabamos dormindo.

Quando acordamos, por volta das 21h, saímos para a cidade e e encontramos uma cidade praticamente deserta.

Restaurante Puka Rumi

A dona da pousada havia nos indicado um restaurante ali próximo e, quando chegamos, o restaurante estava quase fechando.

Puka Rumi, restaurante saboroso e simpático em Ollantaytambo
Nosso jantar no Puka Rumi

Pelas ruas do povoado, ainda é possível encontrar muros de pedras e canais de água, exatamente como eram na época dos incas. Na realidade, o lugar ainda é habitado por descendentes diretos do Império Inca, num dos lugares em que a arquitetura inca encontra-se mais preservada.

Para quem gosta de algum movimento, realmente a noite de Ollantaytambo não é indicada. Por volta das 22h, o povoado estava completamente deserto, e nossa caminhada pelas ruas raramente cruzava com outras pessoas. 

Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
Noite bem tranquila em Ollantaytambo
Peru: Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas
Os canais e as ruas do povoado, preservados como na época do império inca

Quando voltamos para a pousada, fomos informados que a água seria cortada durante a noite e o sinal de Wi-Fi também dormiu antes de nós.

Onde Ficar em Ollantaytambo

Dia seguinte, acordamos bem cedo no simpático Kuychipunky Hostal em que estávamos hospedados, que também guarda muitas características do povo inca. Tomamos um café da manhã tem típico, mas um pouco apressado, pois ainda teríamos que viajar para Cuzco pela manhã.

Nosso quarto na pousada
Pátio interno da hospedagem
Decoração do salão, na lateral existem vãos na parede, bastante comuns na arquitetura inca
No salão, uma estante é cheia de objetos e sementes da cultura inca

Transporte Cuzco – Ollantaytambo

Nos despedimos do pessoal da pousada e partimos para pegar um transporte para Cuzco. Havíamos nos informado que saem vans da estação de trem.

Ao chegar na estação de trem, tivemos que esperar cerca de 1h30 pois as vans, em esquema de lotação, aguardavam que chegassem algum trem de Machu Picchu. Recomendo observar o horário de chegada dos trens de Machu Picchu para não ficar esperando muito tempo. O preço da van é de S/. 10,00 soles. 

Quando o trem afinal chegou, a van rapidamente lotou e partimos afinal para Machu Picchu, numa viagem que levou cerca de 1h30, novamente pelas belas paisagens do Vale Sagrado.

Estação de trem de Ollantaytambo e comércio local
Paisagem do Vale Sagrado, no caminho de volta para Cuzco

A van nos desembarcou no centro de Cuzco, onde rapidamente providenciamos um táxi para nos levar até Sacsayhuaman. Tínhamos apenas poucas horas antes de nosso vôo de volta ao Brasil. E a correria começa novamente. Mas isso é tema para uma outra postagem.

Por enquanto, confira também nossos outros posts da viagem para o Peru.

Peru e Machu Picchu – Tudo o que você precisa saber

© 2013 Fabio Pastorello. Todos os direitos reservados. A reprodução de textos e/ou imagens não é permitida sem prévia autorização do autor.

Share.

About Author

Editor do Viagens Cine, fotógrafo e videomaker. Curte cinema e leva a vida e as viagens com toques de romance, drama e aventura. Formado em Letras, ex-bancário e muito mais feliz como blogueiro de viagens.

19 Comentários

  1. Olá, parabéns pelo blog. Dicas maravilhosas!!! Tô encantada e lendo tudo que eu posso hahaha. Mas percebi que um dos posts não está funcionando. O ‘diário de viagem do Vale Sagrado’. Se vocês puderem verfificar isso, agradeço. Pois tô ansiosa por mais dicas.

  2. Mi marido y yo viajamos por el Valle Sagrado con Edwin y el conductor Eloy. Dos personas excepcionales. Teníamos un servicio de transporte al aeropuerto en Cusco y fuimos a Valle Sagrado viaje por el camino de salida. Edwin muy bien informado. El segundo día hicimos un día completo de turismo ruinas de Ollantaytambo, Chinchero, Maras, Moray. Lo que quisiéramos hacer, estaban dispuestos. También utilizamos sólo el conductor de tren para transporte de Eloy en Ollantaytambo a Cusco. Juan manipulados todos los arreglos por correo electrónico antes del viaje y fue muy atento y organizado.

  3. ATILA BACELLAR on

    Olá Fabio ,

    Estou fazendo Vale Sagrado ( Olanta )e depois durmo em Aguas Calientes para subir pra MP , no volta de MP pretendo ir até olanta e dormi por lá para fazer Moras Moray , então as passagens de MP para Ollanta são de trem ? e qual a melhor forma para eu fechar o trecho de cusco ollanta já que o dia da ida e da volta são separados? posso fazer os pacotes com uma agencia?obrigado.

      • Acho que vale a pena sim, pois fica bem mais perto do que Cusco. O problema é verificar se existem passeios saindo de Ollantaytambo, talvez você tenha que contratar um táxi privado. Abraços.

    • Olá Atila. Vamos lá. Para você ir de Machu Picchu para Ollantaytambo, é preciso pegar o trem sim. Agora para ir até Cusco, você pode optar por ir de transporte alternativo (as vans) ou contratar algum transfer através de agências. Abraços.

  4. Fabio, adorei o seu blog e suas dicas!! A Liana perguntou exatamente o que eu precisava saber! :)))

    Parabéns pelo blog!! 😀

Leave A Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.