Praia da Lagoinha – O que Fazer e Passeios – Ceará

Nessa matéria, vamos falar sobre essa que é considerada uma das praias mais bonitas do Ceará, a Praia da Lagoinha.

Para chegar em Lagoinha, o meio mais fácil é fechar um passeio bate-volta a partir de Fortaleza. Foi exatamente o que fizemos. Mas existem outras opções, e pode ser uma boa escolher uns dias para ficar na região. Isso porque o passeio de bate-volta acaba representando um conhecimento bem superficial da praia e da região, que é bem bonita.

Confira a seguir como é a praia da Lagoinha, o que fazer ao chegar lá e se vale a pena o passeio 3×1 oferecido por lá, que abrange um trecho em jardineira, outro em catamarã e o final é através de um buggy.

Não esqueça de deixar seu comentário no final do post. Dúvidas e comentários serão respondidos com prazer, sua participação é muito importante para o nosso trabalho.

Praia da Lagoinha e o Passeio 3×1

Passeio Bate Volta a partir de Fortaleza

Quem se hospeda em Fortaleza acaba procurando opções de passeio para fora da cidade, já que a única praia limpa da cidade é a praia do Futuro.

Uma dessas opções é visitar a praia da Lagoinha, que fica distante 104 km de Fortaleza, no litoral oeste do Ceará. O passeio custa R$ 35,00 e as saídas são às 8h da manhã. 

Fomos pela operadora Grand Tour, que organiza passeios para Cumbuco, Canoa Quebrada, Mundaú, entre outros destinos do litoral do Ceará.

Passeios em Grupo – Prós e Contras

Não sou muito fã desses passeios em grupo. Da última vez que estivemos no Ceará, demoramos cerca de 1 hora em uma van para conseguir sair de Fortaleza, porque o veículo parava de hotel em hotel para pegar todos os passageiros e muitos deles não estavam prontos, ou queriam fazer paradas para comprar água ou remédios ou sacar dinheiro durante o percurso. Além disso, durante todo o percurso tivemos que ficar escutando piadas, em um estilo de humor que não gostamos.

Só que tudo parece muito difícil para quem quer fazer as coisas por conta própria em Fortaleza. Os funcionários dos quiosques de informações turísticas são mal preparados e os horários de ônibus são impróprios para quem deseja fazer um bate e volta para as praias. Além disso, o acesso às praias do litoral oeste em geral é mais difícil do que para as praias do litoral leste.

Infraestrutura da barraca Manzari, nosso ponto de apoio em Lagoinha

Pelo menos dessa vez as coisas correram melhores durante o passeio. A guia Damara nos ligou no quarto do hotel logo cedo lembrando do horário do passeio, o que provavelmente fez com todos os passageiros, agilizando o embarque de todos.

A História da Lagoinha

Durante o percurso, ela também nos passou informações interessantes, como a diferença entre as praias do litoral leste e do litoral oeste do Ceará, e como a praia da Lagoinha virou um destino turístico.

A história da praia de Lagoinha é mais ou menos a mesma de outros destinos turísticos: estrangeiros visitaram o local e resolveram apostar no seu potencial turístico. Lógico que o interesse dos estrangeiros teve que ser conveniente aos interesses de uma família poderosa local, que até hoje mantêm o controle das barracas de praia e do comércio do local. 

Dessa forma, essa família mantém uma estrutura pequena e administrada por seus familiares. Esse modelo, embora monopolista, me pareceu bastante positivo para a praia, uma vez que ao contrário da ocupação desenfredada de Canoa Quebrada, o lugar permanece ainda com alguma estrutura mas nada muito exagerado e estragando a paisagem.

Como é a Estrutura na Praia

Chegando na praia de Lagoinha, depois de 2 horas de percurso, nos instalamos na barraca Manzari, onde é possível alugar um armário para guardar as coisas (R$ 5,00) e já encomendar o almoço.

O Passeio 3×1 em Lagoinha

A barraca também arranja um passeio local, que é um 3×1: parte em uma jardineira (que a guia chamou de pau-de-arara), parte em um catamarã e parte em um bugue. 

Explicado pela guia, tudo parecia mais interessante: o percurso inicial na jardineira mostraria um aspecto agreste da região e um pouco da vegetação nativa; o catamarã atravessaria a Lagoa da Almécegas e o passeio de bugue passaria por diversas fontes de águas que brotam por entre as dunas pela praia, por inúmeras lagoas (entre elas uma escolhida exclusivamente pelos jegues) e por um pequeno Cristo. O passeio saiu por 40 reais, por pessoa.

A realidade foi um pouco menos empolgante.

A jardineira, onde se inicia o passeio 3×1 em Lagoinha

Começamos com a Jardineira

O passeio começa com a jardineira (também chamada por alguns de pau de arara, mas já andei de pau de arara e é bem pior), com um guia adolescente falando algumas piadas sobre a precariedade do transporte e também dando informações sobre o trajeto, que passa por um paisagem típica do sertão, por algumas plantações de cocos (os cocos anões são os que dão os cocos mais doces e suculentos) e por casas de moradores da região.

Parada na Lagoa da Almécegas e Catamarã

Na segunda parte do passeio, depois de uma parada de 20 minutos na Lagoa da Almécegas (razoável, o que atrapalhou foi que estavam queimando alguma coisa e a fumaça vinha toda na direção da parte onde estávamos), partimos em um catamarã, atravessando a lagoa. Esse trajeto é curto, em águas tranquilas, também razoável.

Lagoa de Almécegas, primeira parada do passeio 3×1 em Lagoinha

Passeio de Buggy

A parte final é de bugue, que passa muito rápido por algumas atrações locais, como o Cristo (um cristo do tamanho de uma pessoa), as fontes de água que brotam na beira da praia e as lagoas (uma delas é onde os jegues se banham).

Algumas paisagens no percurso são bastante bonitas, mas achei o passeio feito com má vontade pelo bugueiro, de forma rápida e sem atentar para as possíveis atrações e belezas do circuito. 

Uma das várias lagoas da região, em uma parada rapidíssima do bugue, durante a última parte do passeio 3×1

Dessa forma, o trajeto, embora tenha esse diferencial dos três tipos de transporte e da paisagem que se modifica (sertão, lagoa, dunas), é mediano e dispensável. Mas tem um fator interessante por ser um dos únicos passeios do Ceará que não é feito exclusivamente de bugue.

Mirante da Praia da Lagoinha

Assim que voltamos para a barraca, caminhamos um pouco pelas ruas até um mirante, do qual se tem uma bela vista da praia e da duna e coqueiros. A ida até o mirante também fora prometida como parte do passeio de bugue, mas tivemos que fazê-la a pé.

A vista do mirante foi o ponto alto de nossa passagem pela praia da Lagoinha, a vista lá de cima é realmente linda e impressionante. 

Do lado esquerdo, toda a extensão da praia da Lagoinha, os coqueiros e o mar verde típico do Ceará
Do lado direito, os coqueiros e a duna alaranjada que são a imagem mais famosa da praia da Lagoinha

A praia de Lagoinha tem como grande diferencial uma duna dourada, no lado direito, onde alguns coqueiros, bem próximos do mar, formam uma paisagem única.

Infelizmente, o lugar não é tão paradisíaco quanto nas fotografias, pois estar lá não é de fato uma experiência de estar numa praia linda e selvagem. No lado direito existe uma escadaria de concreto que passa por cima das dunas. A escadaria termina na praia, onde existem algumas barracas de praia, várias jangadas e um pouco de lixo e esgoto.

Almoço

Depois de algumas fotos naquela duna dourada que havíamos visto do mirante, voltamos para o nosso ponto de apoio e almoçamos (cerca de 60 reais, mais aluguel de armário para deixar as coisas, bebidas e águas de coco, a conta deu um total de 80 reais). Ficamos um pouco por lá, ou caminhando pela praia ou relaxando nas cadeiras. O mar estava bem bravio.

Embora estivesse marcado nosso retorno para às 16h, às 15h45 a guia  já havia apressado todos para ir embora. Mais cerca de 1h30 de trajeto e voltamos para Fortaleza.

Jangadas na praia da Lagoinha, bastante fotogênica

Conclusão

No geral, o passeio foi bem estruturado pela operadora Grand Tour, exceto pelo final, onde a guia se apressou para terminar o dia antes do horário planejado.

As informações prestadas pela guia Damara foram interessantes e as piadinhas sobre o linguajar cearense estavam presentes, mas foram pontuais.

O ponto de apoio também foi bem escolhido, a existência de armários, o atendimento dos garçons, o almoço servido e os preços, tudo foi satisfatório.

O passeio 3×1 é diferente dos demais passeios de bugue do litoral cearense, mas os bugueiros precisam ser melhor preparados para mostrar de fato as belezas do lugar, e não fazerem tudo correndo para terminar logo o circuito.

Finalmente, a praia da Lagoinha possui uma beleza única, mas infelizmente uma parte dela não encontra-se tão bem preservada. O aspecto paradisíaco que você imagina através das fotos não está tão presente no local, mas a beleza é real e a praia é bastante fotogênica.

FICHA TÉCNICA:

Título: Praia da Lagoinha
Direção: Litoral Norte do Ceará/CE
Produção: Grand Tour
Roteiro: Praia da Lagoinha, Passeio de Jardineira, Lagoa da Almécegas, Passeio de Bugue
Elenco: Fábio Pastorello e Cleber Alcântara
Fotografia: Fábio Pastorello
O melhor: O mirante da praia da Lagoinha, onde se tem uma vista da praia de cima
O pior: O passeio de bugue, nem sempre os bugueiros levam os turistas a todos os destinos prometidos
Duração: 1 dia
Ano: 2012
País: Brasil
Gênero: PraiaNatureza
Avaliação: ★★★

© 2013 Fabio Pastorello. Todos os direitos reservados. A reprodução de textos e/ou imagens não é permitida sem prévia autorização do autor.

45 comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.